Adriana Queiroz

Biografia

       Frequentou os cursos da Fundação Calouste Gulbenkian e da Companhia Nacional de Bailado. Em Paris frequentou a Academie Internacionale de la Danse. Trabalhou técnica vocal com Lúcia Lemos, Catherine Rey, Rui Baeta Luís Madureira. Em 1982 ingressa na Companhia Nacional de Bailado como profissional tendo trabalhando com diversas personalidades como Hans Breena, John Auld, Patricia Neary, Michel Renault, Lynn Wallis, Norman Walker, Oscar Araiz, Armando Jorge, Vicente Nebrada, Olga Roriz, entre outros.

       Em 1988 ingressa no Ballet Gulbenkian sob a direcção de Jorge Salavisa, onde permanece até 1998, sendo promovida a Primeira – Bailarina em 1993, trabalhando com diversos coreógrafos e personalidades como Jiri Kilian, Nacho Duato, Hans Van Manen, Ivan Kramer, Vladimir Pankov, Olga Roriz, Vasco Wellemkamp, Itzic Galili, Paulo Ribeiro, Christopher Bruce, Ohad Naharin, Gagik Ismailin, Benvindo Fonseca, Clara Andermatt, Vera Mantero, entre outros.

       Desde 1998 colabora, como intérprete, com a Companhia Olga Roriz onde participou nos seguintes espectáculos: “Anjos, Arcanjos, Serafins, Querubins e Potestades”;  “Propriedade Pública” , “Código MD-8” , “Não destruam os malmequeres” , “Jump-up and Kiss me” e “Confidencial”, ”Inferno”(2011), “Nortada”(2011) e “Sagração da Primavera” (2011). Trabalhou em 2010 com o coreógrafo Rui Horta na peça “Talk-show”.

       Participou nas peças “Judite – Nome de Guerra” de Almada Negreiros, encenação de Germana Tanger (Teatro São Luiz); “Nau de Quixiba” encenação de Raul Atalaia – O Bando; “A Última Batalha” encenação de Fernando Heitor (Teatro Aberto) onde também fez assistência de encenação. Participou também em “Werther” encenação de António Pires (Teatro do Bairro Alto), e ainda “Pesquisa-Amok” (Centro de Artes de Lisboa) e “Clube de Gelo” (Teatro Viriato) com encenação dos An.Carl-Go.

       Trabalhou com o encenador António Pires como assistente de encenação com quem fez os espectáculos “O Aumento” de Georges Perec e “Entradas de Palhaços”- Heléne Parmelin. Produziu e participou em “O amor de Don Perlimplim” com encenação de Rita Loureiro (Teatro do Bairro Alto). Com a Associação Cultural – 0 Útero participou no espectáculo “Parede”. Participou na peça “A casa de Bernarda Alba”, com encenação de Diogo Infante e Ana Luisa Guimarães. Fez parte do elenco da peça “Pinóquio”, com encenação de Fernando Gomes.

       Fez movimento cénico, assistência de encenação na peça “O dono do nada” de Amélia Muge com encenação de Adriano Luz, onde também entrou como actriz. Integrou o elenco do musical “O assobio da cobra”, com musica de Manuel Paulo e encenação de Adriano Luz. Coreografou e desempenhou funções de assistência de encenação a Fernando Gomes na ópera “A Vingança da Cigana”. Integrou o elenco do musical “Cabaret” com encenação de Diogo Infante e direcção musical de Ruben Alves. Foi assistente de encenação de Fernando Gomes na ópera “O chapéu de palha de Itália”, Teatro Nacional de São Carlos (2011), remontando a mesma em 2013.

       Participou na curta-metragem “Almirante Reis” com realização de Fernando Vendrell e argumento de Jacinto Lucas Pires assim como no filme “Pele” do mesmo realizador. Participou ainda na curta-metragem “Glamour” de Luis Galvão Telles. Participou no filme “A zona” de Sandro Aguillar e “Entre os dedos” com realização de Tiago Guedes e Frederico Serra. Em 2011 participa na curta-metragem “” do Núcleo Casulo.

       Leccionou expressão corporal no Chapitô e no curso de formação de actores da ETIC.

       Em 2001 inaugura o Centro de Artes de Lisboa que volta a abrir ao público em Janeiro de 2016.

Estreou em Janeiro de 2009 o seu primeiro trabalho como cantora num concerto intitulado NOW com a participação de Paula Sousa (piano), Luís Cunha (trombone), Miguel Menezes (contrabaixo) e Tino Dias (bateria).

Em Janeiro de 2010 estreia o concerto ÁS VOLTAS com Thierry Riou (piano) Bernardo Savill (guitarra) Massimo Cavalli (contrabaixo) Milton Batera (bateria).

Em 2011 inicia também as gravações e os ensaios para aquele que seria o seu primeiro trabalho discográfico – ARIADNE – com direcção musical de Pedro Joía e a participação dos músicos: Pedro Joía (guitarra), Filipe Raposo (piano), Yuri Daniel (cb e baixo eléctrico), Mário Delgado (guitarra eléctrica) Vicky Marques (percussões) Edu Miranda (violão/cavaquinho) e a participação da cantora Luanda Cozzeti.

No ano de 2012, no Institute Français du Portugal, estreou o espectáculo TEMPO uma viagem à volta dos cantautores francófonos com a participação do pianista Filipe Raposo, dando especial destaque a Jacques Brel, a Leo Ferré, Barbara, Trenet, Gainsbourg, Boris Vian.

Remonta o concerto TEMPO para o Teatro Camões em Outubro de 2013. Em 2014 estreia no Teatro S.Luiz o espectáculo KW – Kurt Weill que conta com a participação da Orquestra de Câmara Concerto Moderno, percussão de Carlos Mil-Homens com arranjos de César Viana e apoio vocal de Luís Madureira. Espectáculo vestido por José António Tenente e iluminado por Helena Gonçalves e Pedro Mendes.

Em Janeiro de 2015 lança as PAQ – Produções Adriana Queiroz e em Outubro do mesmo lança o CD TEMPO, cuja apresentação teve lugar no Centro Cultural de Belém (CCB).  No início do ano de 2016, reabre o CAL – Centro de Artes de Lisboa, onde se encontram sediadas as Produções Adriana Queiroz.

Actualmente encontra-se a preparar a internacionalização do projecto TEMPO em paralelo com a remontagem do espectáculo KW, bem como o novo espectáculo MULHERES DO SUL com data de estreia prevista para 2017.